siga-nos: | cadastre-se | login | contato

09/05/2016 09:51

Cine-PE 2016 - Documentário Danado de Bom é o grande vencedor do festival

da redação


Cena do filme "Danado de Bom"

Depois de uma semana terrível, com uma das piores curadorias nos últimos anos, a 20ª edição do Cine PE chegou ao fim. Não surpreende a consagração do pernambucano "Danado de Bom", o único documentário da competição de longas e certamente o único filme de maior destaque do festival. "Danado de Bom", aplaudido diversas vezes durante a projeção, é também o primeiro longa da diretora Deby Brennand. A produção ficou com quatro troféus Calunga: Melhor Filme, Fotografia, Montagem e Edição de Som. O documentário acompanha o Mestre João Silva (1935-2003), compositor e parceiro de Luiz Gonzaga, em uma viagem pelo sertão até sua cidade natal, Arcoverde, em Pernambuco.

O cineasta carioca Luiz Rosemberg Filho, em fim de carreira, ganhou a única coisa possível, ou seja um prêmio de consolação pela naftalina ambulante "Guerra do Paraguay": Calunga de Prêmio Especial do Júri pelo conjunto de sua obra e contribuição ao cinema nacional.

"Por Trás do Céu", de Caio Sóh, acabou crescendo diante de competidores descartáveis e ganhou cinco Calungas, entre elas a de melhor filme do júri popular.

A ficção "Redemunho", de Marcélia Cartaxo, da Paraíba, ganhou o prêmio de melhor curta nacional. Na competição de curtas pernambucanos, o vencedor foi "Maria", de Carol Correia.

O júri oficial do Cine PE foi formado por João Batista de Andrade (diretor e produtor - SP), Guilherme Fiuza (diretor e produtor - MG), Angelisa Stein (produtora - RS), Odilon Wagner (ator - SP) e Ingra Liberato (atriz - BA).


Há algo de errado com o público

O diretor Marcello Sampaio sobe ao palco do festival e anuncia seu curta "O Coelho". Diz que o filme é sobre o empoderamento feminino - portanto, uma homenagem às mulheres que finalmente estão conquistando seu espaço e descobrindo uma forma de reagir e superar o estereótipo do macho dominante. Mas no filme o que se vê é um discurso feninista totalmente equivocado. A história coloca as mulheres em situações limite em que vale até uma menor de idade sendo estuprada pelo próprio pai. O tal empoderamento feminino é proposto numa reação esquizofrênica quando a mulher pega uma arma e atira no pai violentador.
Resultado: "O Coelho" leva o Prêmio do Júri Popular.

Há algo de muito errado na crítica

O júri oficial do Cine-PE já tinha cumprido sua dose de generosidade ao dar prêmio especial à presunção retrógrada do longa "Guerra do Paraguay", de Luiz Rosemberg Filho. Mas os críticos foram lá e mais uma vez atestaram que filme brasileiro precisa ser bom e chato. Mas, para completar, os críticos ainda escolheram como melhor curta nacional "Pedro Bruscky", de Walter Carvalho. E só porque é de Walter Carvalho. Em 26 minutos, e com cara de vídeo arte, o filme apresenta apenas um discurso vazio e jamais menciona quem é, afinal de contas, Pedro Bruscky.



OS VENCEDORES DO CINE PE 2016



MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS



Melhor Filme: Danado de Bom (PE), de Deby Brennnad

Direção: Rodrigo Gava, por As Aventuras do Pequeno Colombo (RJ)

Roteiro: Caio Sóh, por Por Trás do Céu (SP)

Fotografia: Jane Malaquias, Pablo Nóbrega e Pedro Von Kruger,por Danado de Bom (PE)

Montagem: Jordana Berg, por Danado de Bom (PE)

Edição de Som: Ernesto Sena e Antonio de Pádua, por Danado de Bom (PE)

Trilha Sonora: Ary Sperling, por As Aventuras do Pequeno Colombo (RJ)

Direção de Arte: Ana Isaura, Zeno Zanardi e Kennedy Mariano, por Por Trás do Céu (SP)

Ator Coadjuvante: Renato Góes, por Por Trás do Céu (SP)

Atriz Coadjuvante: Paula Burlamaqui, por Por Trás do Céu (SP)

Ator: Felipe Kannenberg, por Leste Oeste (PR)

Atriz: Simone Iliescu, por Leste Oeste (PR)

Prêmio Especial do Júri: para o cineasta Luiz Rosemberg Filho, pelo conjunto de sua obra e contribuição ao cinema brasileiro

Prêmio da Crítica (júri da Abraccine): Guerra do Paraguay, de Luiz Rosemberg Filho (RJ)

Prêmio do Júri Popular: Por Trás do Céu, de Caio Sóh (SP)



MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS NACIONAIS



Melhor Filme: Redemunho, de Marcélia Cartaxo (PB)

Direção: Marcello Sampaio, por O Coelho (RJ)

Roteiro: Marcélia Cartaxo e Virginia de Oliveira, por Redemunho (PB)

Atriz: Ingrid Cairo, por O Coelho (RJ)

Ator: Daniel Porpino, por Redemunho (PB)

Fotografia: Marcello Sampaio, por O Coelho (RJ)

Direção de Arte: Hermerson Souza, por This is not a Song of Hope (PE)

Edição de Som: Alexandre Barcellos e Felipe Mattar, por Das Águas que Passam (ES)

Trilha Sonora: Lívio Tragtemberg, Naná Vasconcellos e Villa Lobos, por Gramatyka (DF)

Montagem: Guto BR, por O Último Engolervilha II (RJ)

Prêmio do Júri Popular: O Coelho, de Marcello Sampaio (RJ)





Últimas Notícias


...mais notícias